Histórico

A Organização Indígena Instituto Kaingáng – INKA, com apoio do Ministério da Cultura, desde 2006, implementa na Terra Indígena Serrinha, Município de Ronda Alta/RS a iniciativa Ponto de Cultura – Centro Cultural Kanhgág Jãre (Raízes Kaingáng). Por intermédio deste têm sido promovidas atividades envolvendo os variados segmentos sociais da Comunidade de Serrinha, como jovens, adultos, idosos e crianças, especialmente crianças e adolescentes (alunos das Escolas Indígenas de Serrinha), em razão da parceria com professores e lideranças indígenas da referida Comunidade Kaingáng. Neste sentido o Inka promove a revitalização e fortalecimento da cultura Kaingáng, através da interação entre professores indígenas, pajés e mestres de tradição oral (idosos/lideranças tradicionais). Seminários promovem a documentação e registro pelos professores Kaingáng, enquanto pesquisadores da história, contos, lendas, rituais do povo Kaingáng, a fim de que essa história possa ser registrada sob olhar e perspectiva indígena, diferente do que historicamente tem ocorrido. Neste sentido, o Ponto de Cultura Kanhgág Jãre juntamente com os professores indígenas envolvidos no processo de documentação se encontra elaborando um material didático específico para as escolas indígenas, que contemple e valorize a cultura Kaingáng, que até então não existe, uma vez que as escolas indígenas kaingáng não dispõem de material didático específico para suas aulas.

O Ponto de Cultura, por outro lado, também fomenta atividades direcionadas à divulgação, conscientização, visando à redução de DSTs, alcoolismo, drogadição, prostituição, violência doméstica, estimulando a participação de adolescentes e jovens em situação de risco social, por intermédio de Oficinas Mensais de Teatro do Oprimido e Oficinas de Capacitação em conjunto com a Equipe de Saúde da Comunidade Indígena de Serrinha.

O Ponto de Cultura Kanhgág Jãre (Raízes do Kaingáng) desenvolve na Comunidade Indígena de Serrinha/RS o projeto Ação Griô Nacional, através do qual mais especificamente é promovida articulação entre o Ponto de Cultura e as escolas indígenas de Serrinha, por intermédio das atividades de 06 Griôs. O projeto se propõe a fortalecer o processo de construção da “educação escolar indígena”, por intermédio da apreensão dos processos próprios de ensino-aprendizagem da cultura kaingáng, enquanto componentes vitais da “educação indígena kaingáng”, a qual privilegia a transmissão de conhecimentos pela tradição oral, entrelaçando processos de ensino-aprendizagem formal (produzidos no espaço escolar), e informal (produzidos no seio da cultura kaingáng), visando também a interação entre as diversas escolas de Serrinha e respectivas comunidades escolares, o intercâmbio com outras comunidades Kaingáng e comunidades de entorno, na perspectiva do fortalecimento e motivação da comunidade da Serrinha em prosseguir na sua trajetória de sustentabilidade étnico-cultural. Mediante o Projeto Pedagógico Ação Griô, o Ponto de Cultura direciona sua atenção e preocupação às crianças indígenas da Terra Indígena Serrinha, desenvolvendo atividades que estimulem a memória da tradição cultural Kaingáng através de suas expressões: música instrumental, pinturas e grafismos, canto, contação de estórias e danças; fortalecimento da comunicação oral na língua kaingáng entre crianças, jovens, adultos e idosos e a participação em atividades coletivas, enfim, objetivando a formação de adultos kaingáng com orgulho de sua identidade, de suas raízes. Neste sentido, são promovidas pelo Ponto de Cultura, oficinas de confecção dos instrumentos musicais tradicionais, oficinas de contação de histórias kaingáng pelos Griôs e Mestres Kaingáng (relatando sobre as experiências vividas, lendas, contos e crenças, valores, conhecimentos e tecnologias), registro das histórias contadas com realização de pinturas e grafismos kaingáng realizados pelos próprios alunos, oficinas de confecção/aprimoramento de artesanato kaingáng (alunos, artesãos, mulheres e comunidade em geral), oficinas de teatro, atividades de pesquisa em campo a fim de conhecer as ervas medicinais utilizadas em tratamentos usados tradicionalmente, fomentando o uso racional da medicina tradicional e sua preservação como também a fauna que vive deste meio. Neste aspecto é pertinente enfatizar a importância da preservação e revitalização dos conhecimentos tradicionais associados à biodiversidade, relacionados às práticas culturais kaingáng da medicina tradicional, bem como a informação dos mecanismos de proteção legal deste patrimônio cultural, o que desde 2006 tem sido objeto do Ponto de Cultura tanto na Comunidade Indígena Serrinha (abrangendo a comunidade em geral/lideranças/alunos/profissionais indígenas) como também em outras regiões (em parceria com a Organização Indígena INBRAPI – Instituto Indígena Brasileiro para Propriedade Intelectual).

O Ponto de Cultura Kanhgág Jãre é o único Ponto de Cultura da região Sul, sob responsabilidade de uma Organização Indígena, direcionado ao fortalecimento e valorização da Cultura do Povo Kaingáng da região. A iniciativa Centro Cultural Kanhgág Jãre ficou em 1º lugar no Prêmio Cultura Viva (2ª Edição – 2007), recebeu o Prêmio Escola Viva 2007, desenvolve atualmente o Projeto Pedagógico Kanhgág Kanhró (II Edição Bolsa Ação Griô Nacional), Ponto de Leitura, Pontinho de Cultura Kanhgág Kãsir, tendo também sido selecionada no Prêmio Ponto de Valor em 2009 e aprovado o Projeto Pedagógico Kanhgág Jykré pelo Edital Bolsa Agente Escola Viva. Em 2010 desenvolveu o projeto Ég Nén Sinvi Har”- Prêmio Interações Estéticas, patrocinado pela Funarte e se encontra atualmente com a exposição da II Edição Ég Nén Sinvi Har”- Prêmio Interações Estéticas: Residências Artísticas em Pontos de Cultura.